Desktop Lean | 26/01/2021

SSD: como escolher o mais adequado

Entendendo a sua necessidade e as funções do SSD, você saberá escolher o mais adequado. Confira nossas dicas!

 

Se você quer melhorar o desempenho do seu computador em relação à velocidade de armazenamento e inicialização, um SSD é a opção ideal. Embora ainda haja certa desconfiança por parte de muitos usuários, ele vem se popularizando. Logo, é importante buscar conhecer mais sobre esse produto.

O SSD (Solid State Drive) é um dispositivo feito para salvar dados de computadores pessoais e o seu papel é quase o mesmo que o HD, com o diferencial de ser mais resistente e ter maior capacidade de leitura e escrita. Ele é usado para salvar dados, como sistemas operacionais, imagens, vídeos, documentos e músicas.

Os SSDs são mais silenciosos que os discos rígidos, têm menos riscos de danos físicos, ocasionados caso o usuário deixe cair o dispositivo no chão, por exemplo, além de esquentarem menos e consumirem menos energia da fonte. Estes dispositivos contam com até 8TB de armazenamento. 

O principal fator que torna os SSDs em desktops e laptops mais rápidos é a escrita e leitura de dados, e o NVMe que foi desenvolvido para aproveitar esse benefício natural em SSDs que usam o PCI Express. O objetivo da compra de um novo SSD é o de melhorar a capacidade e a eficiência das máquinas. Para isso, você precisa saber como escolher da melhor forma. Esse upgrade pode ser considerado a melhor opção do usuário para o seu equipamento.

Separamos para você algumas dicas de como escolher o SSD adequado para a sua necessidade. Confira!

SSD

 

Capacidade de armazenamento

Dependendo da quantidade de arquivos que você costuma trabalhar, já é possível ter uma ideia do quanto de capacidade de armazenamento que um SSD deverá ter para atender às suas demandas. Os SSDs costumam ter uma variedade em capacidade de armazenamento entre 120 GB chegando até 8 TB.

Tenha em mente que é importante sempre fazer uma varredura dos arquivos que são realmente necessários e daqueles que não têm mais utilidade. Pois, os preços em nosso país podem chegar a ser mais que o dobro do encontrado no exterior, a fabricação de discos sólidos é uma produção cara por si só. Então, empresas que fabricam esses dispositivos buscam colocar na prateleira modelos com capacidades reduzidas para primeiramente popularizar a tecnologia, mas que a longo prazo pode vir a ser um péssimo negócio para o consumidor. Devido a esse fato é preciso que você tenha a real dimensão das suas necessidades.

Por exemplo, para o uso de dois sistemas operacionais no mesmo computador (dual-boot), um SSD de 240 GB pode ser o ideal. Assim como se sua necessidade for mais voltada para escrita e leitura, um drive SSD de 120 GB é uma opção suficiente.

Lembre-se sempre que o sistema operacional Windows 10 utiliza normalmente até 60 GB do SSD para sua instalação, então, no caso de um SSD de 120 GB, você terá apenas 60 GB. Já em um SSD de 240 GB você terá até 180 GB livres.

Recomendamos a utilização orgânica de um SSD (melhor se for um NVMe) para o uso com o sistema operacional e instalação dos principais softwares irá utilizar e o disco rígido (de leitura magnética) para armazenar arquivos, como projetos, downloads, documentos, arquivos de mídias, entre outros.

Por outro lado, atualmente mídias ópticas (CD’s, DvD’s e Bluray’s) se tornaram obsoletas para se utilizar como forma de armazenamento.

 

Velocidade de transferência

Uma das características diferenciais dos SSDs é a sua velocidade de transferência. Por não ter partes mecânicas como os HDs, eles oferecem melhor desempenho na transferência de dados e uma taxa de operações por segundo quase 500 vezes maior, não é fora do normal encontrar disponível no mercado modelos que passam de 1 GB/s de velocidade de transferência. Porém, essa rapidez oferecida está relacionada ao preço do produto.

Há dois tipos de operações importantes: gravação e leitura — sendo aleatória e sequencial. A velocidade aleatória é utilizada para pequenas gravações e leituras de dados. Ela é mais lenta por fazer diversas pequenas operações, porém é a de uso mais comum.

Já a velocidade sequencial é aplicada em grandes blocos de dados — e, por isso, é mais rápida. É importante buscar modelos de SSDs que tenham informações sobre a velocidade dessas operações junto ao fabricante do hardware. Também é preciso observar se a percepção da velocidade do produto tem relação com a vida útil do seu computador, pois ela depende do equilíbrio com outros componentes importantes, como a placa-mãe, o processador, a placa de vídeo etc.

Os SSD’s mais rápidos disponíveis hoje no mercado são os SSD M.2 PCIe NVMe, que têm uma taxa de leitura de até 7.4 GB/s, sendo até 12 vezes mais rápido que um SSD SATA convencional, entregando muito mais performance para o seu sistema.

SSD

 

Preço e marca

Comprar um SSD pode acabar sendo um pouco cara, mas é importante sempre lembrar de que todas as informações do seu computador ficarão contidas nele. É importante sempre se questionar se realmente vale correr o risco de perder tudo o que você tem por uma falha de um produto que você preferiu pagar mais barato.

Nesse momento, é importante se atentar às marcas mais renomadas as quais você já tem uma certa confiança. Além disso, pesquisar e contatar profissionais para compreender melhor o produto que você pretende comprar, também é uma boa forma de evitar frustrações futuras.

Existem também certas marcas que prometem uma velocidade superior às demais, o que acaba aumentando o preço final do produto. Esse pode até ser um fator importante no desempenho final da máquina, porém, não é necessário se preocupar muito com isso, visto que independente do SSD, ele será muito superior em velocidade do que qualquer disco rígido.

 

Confiabilidade do produto

A confiabilidade do produto é medida pelo valor médio de falhas, mais conhecido como MTBF (Mean Time Between Failure). Ele permite que o consumidor tenha uma noção do nível de confiabilidade do SSD. De acordo com o tempo de vida útil do SSD e o valor do MTBF, podemos extrair a probabilidade do hardware em apresentar algum erro.

Por exemplo, se um SSD tem a estimativa de 5 anos de vida útil e um MTBF de 600 mil horas, conclui-se que a possibilidade de ocorrer algum erro é de 1,4%. Além disso, os SSDs são mais resistentes a choques com relação aos HDs. Logo, em caso de alguma trepidação ou queda, não haverá grandes riscos de problemas de funcionamento.

Busque SSDs que tenham código de detecção de erros (ECC). Ele é muito importante para corrigir falhas e evitar que os dados sejam corrompidos. Isso permite uma longevidade no tempo de vida útil do drive SSD.

Verificação de compatibilidade com a sua máquina

Para que seu investimento na aquisição de um SSD tenha êxito, é extremamente importante observar se o novo hardware é compatível com o seu computador. Para isso, o formato e o tipo de interface de dados são fundamentais. A maioria dos SSDs têm interface SATA (Serial AT Attachment) — atualmente, quase todos são SATA III.

Essa interface se refere à velocidade de transferência. Caso a sua máquina não seja compatível, o seu desempenho será prejudicado. Veja a capacidade de cada uma:

  • M.2 PCIe NVMe 32 Gbps);
  • M.2 PCIe (8 Gbps);
  • SATA III (6 Gbps);
  • SATA II (3 Gbps);
  • SATA I (1,5 Gbps).

O tamanho do drive também é importante. Os modelos de 9mm são os mais comuns e compatíveis com notebooks convencionais. No entanto, modelos de dimensões reduzidas (ultrafinos) estão sendo fabricados, exigindo drives de 7 mm.

Para desktop, procure modelos que permitam adequar a instalação do drive por meio de kits de adaptação que possibilitem encaixá-lo corretamente. Tenha bastante atenção, pois muitas lojas não aceitam devolução por motivos de falta de compatibilidade.

 

Tamanho

A maioria dos SSDs do mercado têm 2,5 polegadas, diferente dos HDs, que geralmente têm 3,5. Em instalações feitas em um desktop não existem muitas complicações para acomodar o driver, podendo ser instalado facilmente sem precisar ser de um tamanho muito exato ou premeditado.

Quando se trata de notebooks, é necessário se certificar de que o SSD que você está comprando tem, de fato, 2,5 polegadas. Caso você não preste atenção nisso e compre um maior do que isso, é bem provável que não caiba no seu portátil, fazendo você perder todo o investimento feito, o que, geralmente, não é nada barato.

 

Garantia e suporte oferecidos pela marca

Opte por comprar SSDs com tecnologia recente e de marcas de confiança. É atraente ao consumidor encontrar nas prateleiras de lojas especializadas e sites na internet diversas marcas com preços chamativos. Porém, fazer certa economia em um produto tão importante para o equipamento não é um bom negócio. Um update no seu equipamento deve ser visto pelo usuário como um investimento, não como um gasto.

Ao comprar um produto por um preço menor, você pode ter uma certa economia, mas corre o risco de ocorrer falhas ou até mesmo perda do seu funcionamento total. Logo, o prejuízo será grande, já que o SSD armazena dados importantes para sua rotina profissional e estudantil.

Marcas pouco conhecidas não costumam ter assistência técnica em todos os países em que são comercializadas ou apenas em uma cidade, o que aumenta o tempo para suporte. Os termos de garantia também podem ser diferentes. Um fabricante consolidado no mercado é reconhecido justamente por sua qualidade de fabricação e suporte.

Alguns dos fabricantes mais conhecidos são:

  • Kingston;
  • SanDisk;
  • Hiper X;
  • Samsung;
  • Corsair;

 

SSD

 

Como usar um SSD

Certos SSDs contam com ferramentas de auxílio na migração, ajudando a realizar a cópia dos arquivos existentes em seu HD para o novo driver. Dessa forma, não é necessário fazer a instalação de todos os arquivos novamente para o SSD.

Ferramentas como essa são ótimas, principalmente para quem pretende utilizar o SSD no notebook e não consegue utilizá-lo simultaneamente à placa-mãe. Por conta de todo esse processo, vale lembrar da importância de investir em um equipamento que já venha equipado com isso.

 

Kits de instalação

Certos fabricantes de SSD oferecem junto ao produto versões que vêm acompanhadas de kits de instalação. Esses kits geralmente contam com:

  • equipamento necessário para a instalação de SSDs de 2,5 polegadas em baias de 3,5 polegadas;
  • moldura para equipar unidades de 7 mm, destinadas para aparelhos ultrafinos;
  • software de clonagem de HD.

Mesmo sendo totalmente úteis na instalação do hardware, os kits de instalação acabam aumentando o preço final do produto.

 

Após nossa análise, elencamos seis fatores para quem pensa em utilizar um SSD:

  • Tempos de acesso são reduzidos;
  • Por não ter partes móveis, seu equipamento não sofrerá com interrupções devido a trepidações, por exemplo;
  • A resistência do SSD é maior que o do disco rígido mecânico;
  • O SSD é mais leve e mais fino. Por exemplo, uma unidade de 2,5 polegadas com 7 mm, pode ser utilizada em um Ultrabook, que são portáteis super finos do mercado. O SSD se adapta nos mais variados hardwares;
  • Tem um menor consumo de energia;
  • Os SSD’s apresentam versões mais sofisticadas, pois fabricantes produzem cases exclusivos para suas unidades. Um exemplo é o modelo lançado pela HyperX, no qual a carcaça vem com tons laranja e preto.

 

Dessa forma, após a leitura, você tem as informações necessárias para adquirir o seu SSD, sem correr riscos. Analise todas as informações disponíveis tanto na loja quanto na página do próprio fabricante, inclusive os telefones e endereços das assistências técnicas e autorizadas. Isso torna a tarefa de saber como escolher o SSD ideal para você bem mais fácil.

Gostou do post? Entre em contato com a Razor e conheça os produtos e serviços que podemos oferecer para você!

 

 

ASSINE NOSSO BLOG

Receba nossas publicações em seu e-mail.
Prometemos não exagerar :)

    WhatsApp