X
Gabinete Razor

Concentre-se na inspiração e deixe uma Razor trabalhar por você.

VER PRODUTOS > >

Design Gráfico e Fotografia | 05/04/2022

Como Escolher a Placa de Vídeo Certa

Se você está comprando ou construindo um PC gamer, a placa de vídeo é ainda mais importante do que o CPU (processador). Infelizmente o processo de descobrir como comprar uma GPU (placa de vídeo) pode ser intimidador. Existem muitos pontos a se considerar, como o tipo de monitor que você tem usado, tamanho do seu gabinete e até as configurações do jogo que você planeja jogar.

Abaixo, disponibilizamos uma lista de pontos que você precisa observar quando estiver prestes a comprar a sua próxima GPU.

Dicas Rápidas

• Economize um pouco de dinheiro para a CPU: Se você gastar todo o seu dinheiro em gráficos e ignorar o processador, o seu sistema pode ter uma boa pontuação em testes sintéticos, porém, pode não iir tão bem ao jogar (devido a taxa de frames baixa, limitada pela CPU).

• Acerte a resolução do seu monitor: Várias placas convencionais são o suficiente para jogar em resoluções 1080p entre 30-60 fps, porém você irá necessitar de uma placa vídeo topo de linha para resoluções próximas de 4K com configurações altas nos títulos mais exigentes.

• Considere a sua taxa de atualização (refresh rate): Se o seu monitor tem taxas de atualização de dígitos triplos, você necessitará de uma placa e processador poderosos para atingir todo o seu potencial. Alternativamente, se o seu monitor só vai até 60hz e é 1080p, não tem motivo para pagar mais em uma placa poderosa que consegue empurrar píxeis mais rápido do que a sua tela consegue mostrar.

• Você tem energia e espaço o suficiente? Certifique-se que o seu gabinete tem espaço o suficiente para a placa que você está considerando, e que a sua fonte tem watts sobrando, junto com as conexões de energia corretas (até dois PCIe de 8 pinos, dependendo da placa).

• Verifique o preço sugerido pela fabricante antes de comprar: Uma boa maneira de saber se você está fazendo um bom negócio é checar o preço de lançamento, ou “MSRP” da placa que você está considerando antes de comprar. Ferramentas como o Buscapé ou Zoom podem ajudar a separar as boas ofertas dos descontos “metade do dobro”.

• Não compre duas placas – Elas não valem a pena: Suporte de jogos para configurações com múltiplas placas (SLI ou CrossFire) tem diminuído ao passar dos anos. Pegue a melhor placa única que você conseguir. Adicionar outra placa normalmente resulta em mais problemas do que o desejado.• Não conte com um overclock para grandes melhoras de desempenho: Se você precisa de mais performance, compre uma placa mais forte. Placas de vídeo normalmente não tem muito espaço para overclockar, normalmente apenas 5-10% com sorte.

AMD ou Nvidia?

Placa de vídeo certa
Placas da Nvidia e AMD

Existem centenas de placas de vídeo, de dezenas de fabricantes diferentes, porém apenas duas companhias fazem as GPUs que alimentam estes componentes: Nvidia e AMD – apesar que as Intel’s Xe Graphics devem chegar logo. A AMD tem GPUs competitivas no setor médio-alto e em custo-benefício, e as últimas placas de série RX 5000 embasadas na Navi tem no geral alcançado a Nvidia na parte de consumo de energia. Mas no topo de linha do mercado, a Nvidia é incontestável, pois nada da AMD performa melhor que as RTX mais rápidas de hoje. Isso pode mudar quando a arquitetura que estão chamando de Big Navi chegar, porém a geração RTX 3000 recentemente chegou com muita força.

A menos que você precise do nível de performance da RTX 2080 Ti, o melhor motivo para escolher uma empresa sobre a outra é se o seu monitor dá suporte ao AMD Freesync ou Nvidia G-Sync (VRR ou taxa de atualização variável). Ambas tecnologias sincronizam a taxa de atualização entre a placa de vídeo e a tela, para eliminar o screen tearing (rasgamento da imagem). Se o seu monitor não suporta nenhuma das tecnologias, você pode escolher qualquer marca de GPU. Mas esta decisão se complicou recentemente, com a Nvidia certificando um número crescente de monitores FreeSync a utilizarem taxa de atualização variável com placas da Nvidia.

Quanto você pode gastar?

O preço das placas de vídeo varia bastante, com as de baixo nível por menos de R$500, e modelos de topo de linha custando mais de R$15.000. A não ser que você tenha um orçamento super limitado, espere gastar pelo menos R$1.200 por uma placa boa, R$2.200 por uma placa forte e R$4.000 ou mais por uma de performance extrema.

Quais GPUs são baixo nível, nível médio e topo de linha?

A seguir temos uma explicação das GPUs atuais e agrupadas por preço e performance (por exemplo, note que a GTX 1070 está junto as de “nível médio”, pois é similar a performance da 1660 Super). Lembre-se que as GPUs agrupadas não são iguais, e variam na sua performance entre si. Para mais detalhes, pesquise por “hierarquia de placas de vídeo”.

Placa de vídeo certa - tab

Como comprar uma GPU: Quais especificações importam e quais não?

• Quantidade de memória: pegue uma placa com no mínimo 4GB, e preferivelmente 6GB ou mais. Você precisará de mais memória dependendo da sua atividade profissional e trabalhar com pacotes de textura de alta resolução. Se necessitar de resoluções muito altas como 4K, 8GB ou mais seria o ideal.

• Tamanho: muito importante. Você precisa se certificar que tem espaço o suficiente no seu gabinete para a sua placa. Olhe para o comprimento, altura, grossura e largura. Placas de vídeo podem vir half-height (finas), slot simples, slot duplo e até slot triplo. A maioria das placas com foco em jogos serão full-height (grossura normal) e ocuparão dois slots de expansão. Mesmo se uma placa tecnicamente utiliza um ou dois slots no seu gabinete, se ela tiver um grande dissipador de calor e ventoinhas, elas podem bloquear um slot adjacente. Se você tem uma placa mãe Mini-ITX minúscula, procure por uma placa ‘mini’, que geralmente tem 205mm ou menos. Porém, algumas placas que tem este apelido podem ser mais longas, então veja as especificações.

• TDP: importante. Thermal Design Power ou  Potência Térmica Máxima é a medida de dissipação de calor, mas ela também te dá uma estimativa de quantos watts você vai precisar para rodar a sua placa em configurações padrões. Então se a sua fonte é de 400 watts com uma CPU de 95 watts com overclock e você quer colocar uma GTX 1080 Ti (que tem um TDP de 250 watts) você certamente necessitará de um upgrade de fonte. Geralmente falando, uma fonte de 600W vai conseguir aguentar tudo menos as placas de vídeo mais poderosas com 800W sendo o suficiente para qualquer GPU mesmo com overclock.

Placa de vídeo certa - fonte
Conector de energia

• Conectores de energia: importante. A maioria das placas sérias de jogo puxam mais do que o padrão máximo de 75W que o slot  PCIe x16 fornece. Estas placas necessitam conectores de energia PCIe que vem em variedades de 6 e 8 pinos. Algumas placas tem um ou dois desses conectores, podendo ser um de cada ou dois iguais. Se a sua fonte não tem os conectores que você precisa, você irá querer fazer uma melhora na fonte. Adaptadores que puxam energia de conectores SATA ou Molex não são soluções recomendadas de longo-prazo.

Placa de vídeo certa - portas
Portas

• Portas: críticas. Alguns  monitores tem HDMI, outros usam DisplayPort, e outras unidades mais antigas tem apenas DVI. Certifique-se que a placa que você planeja comprar tem os conectores que você precisa para o(s) seu(s) monitor(es), para que você não precise comprar um adaptador – ou potencialmente um monitor novo (a não ser que você queira). 

• Velocidade do Clock: de alguma importância. Entre placas com a mesma GPU (exemplo: uma Nvidia GTX 1060), algumas serão fabricadas com overclock, o que pode fazer alguma diferença nas taxas de quadros. Velocidade do clock não é tudo, pois quantidade de núcleos e a arquitetura precisam ser consideradas.

• Cuda Cores / Processadores Stream: de alguma importância, como velocidade do clock, pois isso é apenas um dos fatores determinantes de performance. Comparar quantidade de Cores (núcleos) entre placas da mesma arquitetura faz mais sentido do que comparar placas de arquiteturas diferentes. O mesmo vai para AMD. E comparar entre arquiteturas AMD e Nvidia é ainda menos útil (exemplo: AMD Navi vs. Nvidia Turing ou Nvidia Turing vs. Nvidia Pascal.)

• TFLOPS/GFLOPS: importante. TFLOPS, ou trilhões de operações de ponto flutuante por segundo, é uma indicação teórica da performance máxima de uma GPU. (Ela pode também ser expressada como GFLOPS, ou bilhões de FLOPS.) A quantidade de Núcleos multiplicada pela velocidade do clock, multiplicado por dois para FMA (instruções Fused Multiply Add), lhe dará os TFLOPS para uma GPU. Comparando entre a mesma arquitetura, TFLOPS geralmente te diz quão mais rápido um chip é comparado a outro, mas comparar entre arquiteturas é menos útil (exemplo: AMD Navi 10 vs. AMD Vega 10.)

• Velocidade de memória / largura de banda: tem alguma importância. Como velocidade do clock maior, memória mais rápida pode tornar uma placa mais rápida do que outra. A GTX 1650 GDDR6 por exemplo é em média 15% mais rápida do que a GTX 1650 GDDR5, tudo graças a largura de banda maior da GDDR6 sobre a GDDR5.

• RT / Tensor Cores: não muito importante – por enquanto. RT cores com foco em Ray tracing e Tensor Cores com foco em machine learning  estreou com as placas Nvidia RTX 2000. Essas duas tecnologias têm potencial, mas no momento elas só existem em placas que custam de R$2.000 para cima (começando na RTX 2060) e o suporte de jogos, mesmo estando em melhora, é fraco. Mesmo a série RTX 3000 perde a mesma porcentagem de frames com o uso de ray-tracing. O que melhorou foi o ganho de performance / qualidade de imagem com o DLSS 3.0. Isso pode melhorar bastante em 2020, com o lançamento de ray tracing em consoles.

Tem suporte a VR?

Se você quer usar uma das duas plataformas líderes de VR em PC, HTC Vive e Oculus Rift, você irá precisar de uma placa pelo menos de nível médio, idealmente uma RTX 2060 Super/AMD RX 5700 ou melhor. As placas mais baratas utilizáveis com os headsets VR mencionados são a AMD Radeon RX 570 e a Nvidia GTX 1060. Os requerimentos de placas de vídeo irão aumentar com headsets topo de linha como o HTC Vive Pro e o Pimax.

Mas e ray tracing e IA?

A Nvidia fez um grande alarde para as suas tecnologias no lançamento das placas Turing RTX, incluindo núcleos RT para ray tracing em tempo real e núcleos Tensor que ajudam em super amostragem com ajuda de IA. Com certeza essas tecnologias têm um grande potencial, porém ainda estão nos primeiros estágios, e tem poucos jogos que as suportam. 

É difícil dizer quantos jogos futuros irão dar suporte a uma certa tecnologia. Muitas tecnologias promissoras de gráficos falharam em ser adotadas no passado (veja a Nvidia 3D Vision e PhysX). Você deveria fazer as suas decisões de compra primariamente com base na performance e características que uma placa pode te entregar hoje, mas nunca dói estar preparado para o futuro, especialmente ao gastar milhares de reais em uma placa de alto nível. Além disso, como já mencionado, a próxima geração de consoles, o Playstation 5 e o Xbox Series X irão ter suporte a ray tracing, isso significa que de 2021 para frente devemos ver um aumento enorme em seu uso e otimização.

Placa de referência ou um Design de terceiros?

Placa de vídeo certa

Mesmo depois de decidir qual GPU você quer (digamos uma RTX 2060 Super como as da imagem acima), você normalmente terá bastante opções em termos de construção do cooler, marca ou fabricante. A Nvidia faz e vende as próprias placas, as chamando de Founders Edition para modelos mais potentes, enquanto a AMD licencia o seu design de referência para outros fabricantes. As GPUS das duas companhias existem em placas de terceiros de múltiplos vendedores.

Placas de terceiros mais caras terão coolers mais elaborados, fans a mais e frequentemente clocks mais rápidos, mas também elas podem ser mais caras do que as de referência. Ganhos de overclock são frequentemente mínimos (de apenas alguns frames em altas resoluções). Dito isso, resfriamento mais forte pode significar em placas mais silenciosas, o que pode ser importante já que as placas mais potentes são geralmente a parte mais quente e barulhenta em um PC.

Melhor escolha barata: Nvidia GeForce GTX 1650 Super

Mesmo com a RX 570 da AMD ainda disponível por R$1.200, a Nvidia GTX 1650 Super é na média 30% mais rápida e pode ser encontrada pelo mesmo preço. Ela usa menos energia e tem hardware mais recente que ajudam com codificação e decodificação de vídeo, possibilitando fazer stream ao vivo da sua jogabilidade com menos perda de FPS.

Melhor para 1080p (FHD): Nvidia GTX 1660 Super

A GTX 1660 Super é em média 15% mais rápida do que a 1660 normal, quase 20% mais rápida do que a RX 5500 XT 8GB e mais de 30% mais rápida do que a GTX 1650 Super da escolha barata. Olhamos para a GTX 1660 vs. RX 5500 XT e declaramos que a placa da Nvidia é superior, mas também pensamos que a GTX 1660 Super é melhor que a GTX 1660 pelos preços encontrados.

Mesmo que o GPU Turing da Nvidia ainda utilize o FinFET 12nm da TSMC, o uso de energia é basicamente idêntico aos 14 chips Navi da AMD que utilizam o FinFET 7nm da TSMC. O fato que a Nvidia é mais rápida e utiliza a mesma quantidade de energia com um nódulo de fabricação mais antigo diz muito. Por R$1.700, a GTX 1660 Super basicamente te dá o mesmo nível de performance que a mais antiga GTX 1070 em um design mais eficiente. Ela também vem com o NVENC Turing melhorado que o torna em uma ótima escolha para stream de vídeo.

Melhor para 1440p (QHD): AMD RX 5700 XT

A GPU atual mais rápida da AMD é a RX 5700 XT, e enquanto é tecnicamente 4-5% mais lenta do que a RTX 2070 Super, ela também custa R$600 a menos. Isso dá a vitória para a AMD,  se você não quiser Ray Tracing, claro. O uso de energia também melhorou bastante desde as placas Vega da geração anterior, diminuindo a diferença com a Nvidia.

A arquitetura Navi da AMD fez bastante melhoras sobre as GPUs da AMD anteriores, e combinadas com a litografia 7nm da TSMC, ela acaba sendo uma GPU de 1440p bem capaz. Há alguns jogos que você pode precisar mexer nas configurações um pouco, mas você pode travar a 60fps nas configurações ultra na maioria dos jogos, e passar dos 100fps no médio-alto na maioria dos games.

Melhor para VR: Nvidia GeForce RTX 2070 Super

Entusiastas com headsets de VR precisam ter um certo nível de performance para evitar artefatos incomodativos. Uma GeForce GTX 2070 Super é rápida o suficiente para se manter com as taxas de atualização de 90Hz da maioria das telas montadas na cabeça. Além disso, a placa inclui uma porta VirtualLink para conectar headsets da próxima geração com apenas um cabo. Isso não é útil ainda, mas será importante quando você for considerar um upgrade.

Melhor para 4K:Nvidia GeForce RTX 3080, RTX 2080 Ti

Se você está procurando pelas campeãs atuais de placa de vídeo, são essas. Elas são capazes de colocar no máximo todos os gráficos e em 4K na maioria dos games, então se é isso que você quer, estas são as suas escolhas. Na maior parte do tempo, são fortes demais para 1080p ou 1440p, aonde a RTX 2080 Super é o suficiente por um preço muito menor. Porém, habilitar todos os efeitos ray tracing em jogos como Minecraft RTX pode judiar até da RTX 2080 Ti.

A Arquitetura Turing da Nvidia está no coração da RTX 2080 Ti, aumentando performance mesmo quando você não habilita ray tracing ou DLSS. É na média 45% mais rápida que a RX 5700 XT da AMD quando jogando em 4K, por exemplo. Execução simultânea de ponto flutuante e inteiro é parte do que ajuda as placas da Nvidia a serem as campeãs, e no futuro ray tracing vai pedir ainda mais performance.

Este texto é uma tradução de Tom’s Hardware. Algumas alterações foram feitas para melhor compreensão na língua portuguesa. Artigo original aqui.
Gabinete Razor

Concentre-se na inspiração e deixe uma Razor trabalhar por você.

VER PRODUTOS >

ASSINE NOSSO BLOG

Receba nossas publicações em seu e-mail.
Prometemos não exagerar :)