Arquitetura e Construção | 08/02/2021

PC para arquitetura: qual a melhor configuração? Como escolher?

Entenda como é projetada a configuração ideal de um PC para arquitetura.

 

Se o principal componente para o sucesso de um arquiteto é a sua criatividade, as ferramentas que ele utiliza são responsáveis por concretizar suas ideias em grandes projetos. Você já parou para pensar no quanto o seu computador influencia no seu trabalho?

É recorrente a dúvida sobre qual é a melhor configuração para um computador exercer trabalhos voltados para a arquitetura. O fato de os componentes de hardware evoluírem a cada ano, faz com que a insegurança seja ainda mais constante para estes profissionais. O hardware que era topo de linha hoje, em alguns anos pode ficar obsoleto e necessitar de um upgrade.

Em um mercado tão competitivo, uma boa workstation é fundamental para garantir prazos e a qualidade que seu cliente espera. Neste post, vamos aprofundar o entendimento sobre o que um bom PC para arquitetura tem a oferecer e no que você precisa se focar na hora de investir. Vamos lá?

 

 

O que você deve esperar de um PC para arquitetura

A arquitetura é uma das profissões onde a criatividade e a visão sistêmica mais se convergem. Bons arquitetos são aqueles que conseguem criar uma identidade em seus projetos, satisfazendo o cliente sem perder seu estilo, e ainda assim conciliar inspiração com prazos apertados e questões práticas de trabalho em sua rotina.

É por isso também que o profissional da área é um dos que mais necessita de bons equipamentos — não apenas no sentido de alta performance, mas de um desempenho direcionado ao seu uso.

Tarefas de arquitetura e design demandam um computador rápido e potente. Para definir qual configuração atende às suas necessidades profissionais, primeiramente leve em conta as tarefas que você realizará no computador como: desenhos, projetos CAD e em BIMrenderização, videoconferências, administração de planilhas de custos, edição de imagens. 

Em seguida, defina qual é o software que exigirá mais capacidade do equipamento. Ele será decisivo para a escolha das configurações da sua workstation.

Para executar trabalhos de modelagem, CAD e renderização, você precisará de um processador com alto desempenho. Para renderizar, processadores com mais núcleos (como quad-core, por exemplo) são mais indicados

Enquanto para modelagem e CAD, isso pode não fazer muita diferença, devido ao fato de que o software trabalha com apenas um núcleo por vez. De qualquer forma, processadores com mais núcleos também são melhores caso você trabalhe com programas diferentes simultaneamente (modo multitarefa).

Nós falaremos com mais detalhes sobre esses itens no próximo tópico, mas o importante é que a busca pelo computador perfeito deve ter foco no que você precisa para aumentar a sua produtividade. Só assim é possível otimizar o investimento e conseguir o melhor benefício para o custo que você se dispõe a pagar.

 

Quais são os quesitos principais na hora de escolher um bom PC para arquitetura

Vamos então destrinchar as necessidades de um arquiteto para que você tenha mais informações na hora de comparar e comprar, e para que a sua pesquisa tenha mais foco. São oito quesitos principais para ficar de olho:

 

Notebook vs. Desktop

O primeiro ponto que vamos detalhar é: mobilidade é importante pra você? Você necessita usar o mesmo computador na faculdade, em casa e no trabalho?

Estas perguntas são feitas pois, sejam em tarefas repetitivas como montar paredes; ou que demandem um maior esforço intelectual/criativo como projetar, é necessário um espaço reservado e com tranquilidade. Sendo assim, no dia a dia, normalmente os notebooks ficam presos a uma tomada. E praticamente nunca se usufrui de sua mobilidade. E sem sua flexibilidade, o notebook acaba sendo um péssimo negócio, pois seu custo-benefício em relação a performance/desempenho não atinge o mesmo nível que uma workstation; e também não permite upgrades que compensem financeiramente sua compra.

Ciente de qual é a melhor opção pra você, podemos partir para os componentes que envolvem o equipamento.

 

Processamento

processador é o coração do computador e o ponto de partida para definir quais, de tantos modelos disponíveis no mercado, são os mais relevantes para o seu trabalho.

O nome é autoexplicativo, enquanto o processador ou CPU é o “estagiário” que vai ficar buscando os arquivos no gaveteiro (HD/SSD), colocando-os na mesa (Memória RAM), e fazendo os cálculos que cada programa demanda. Todos os softwares vão necessitar de um bom processador, sobretudo o V-Ray para seus cálculos na hora do render.

Para processadores, existem duas marcas que disputam o mercado: A Intel e a AMD.

Essa também é a parte mais complexa da sua pesquisa, por que o tipo de processador ideal depende do tipo de software que você mais utiliza. Se o foco do seu trabalho está na modelagem, os programas que você utiliza geralmente são single-threaded — ou seja, utilizam apenas um núcleo para processamento e se beneficiam de maiores frequências.

Já no caso de renderização, a maioria dos softwares trabalham de forma multi-threaded, aproveitando todos os núcleos para acelerar o trabalho. No fim, como um arquiteto precisa fazer um pouco de tudo (principalmente os autônomos), o ideal é encontrar um equilíbrio, como nos modelos i7, Xeon E3 ou a linha da AMD Ryzen 5.

 

Memória RAM

memória RAM também tem um papel importante nessa parte, já que é ela a responsável por armazenar informações temporárias e agilizar o trabalho do processador. Ao pegar os arquivos do nosso gaveteiro (HD/SSD) os mesmos precisam ser dispostos em algum lugar. 

Desta forma, a memória funciona como uma mesa onde você coloca e abre seus projetos. Quanto maior a mesa, mais projetos você poderá abrir simultaneamente e de forma organizada. A memória então também tem função de armazenamento, mas de modo volátil. Ao fechar o software ou ao desligar o computador essas informações não estarão mais armazenadas.

Um exemplo bem prático da memória é quando você começa a adicionar objetos decorativos em alguma cena do Sketchup e ele começa a travar. É necessário neste caso uma mesa maior.

O mínimo hoje para o trabalho de um arquiteto é 16GB, mas, se possível, invista em 32GB para não sofrer com qualquer engasgo por um bom tempo.

 

Gráficos – Placa de Vídeo

Falando de renderização e manipulação de imagens, a placa de vídeo também é muito importante nessa equação. Se seu trabalho é exclusivamente feito em programas CAD e BIM, a linha Quadro da NVidia é otimizada para esse tipo de software — ou seja, apresenta um desempenho melhor mesmo que não seja a mais poderosa no mercado.

A placa de vídeo (ou GPU) tem a mesma função que o processador, porém para tarefas gráficas. É dispensável ter uma boa ou extremamente necessária a depender do software que você vai utilizar em seu trabalho. Lumion, por exemplo, vai exigir uma boa placa de vídeo.

É ela que controla as atividades de exibição de imagens no monitor. Para trabalhar com gráficos pesados, você precisará de uma placa de vídeo dedicada – ou seja, com memória RAM própria e capaz de lidar com imagens e vídeos complexos.

De modelo nós recomendamos pelo menos a P600 para uma máquina mais básica (mas que já suporta tudo) ou uma P2000 para quem não quer ter dores de cabeça.

Já para auxílio na renderização e programas de modelagem 3D e iluminação, a linha Geforce ainda é imbatível. Nesse caso, vale a pena investir em uma GTX 1070 mas para quem não quer encontrar percalços no seu dia a dia recomendamos uma P2000 como o modelo da Nvidia GeForce GTX 2060 ou 2070.

pc para arquitetura

 

Armazenamento: HD – SSD

Tanto o HD quanto o SSD desempenham funções de armazenamento. Imagine-o como um gaveteiro, onde você coloca seus arquivos. A diferença entre os dois é na velocidade que essas “gavetas” são abertas. 

O HD, por ser um disco, tem sua leitura de modo físico, enquanto o SDD tem a leitura de modo digital. O preço de um SSD é consideravelmente mais alto que de um HD. Essa situação está se alterando, visto que a tecnologia está mais acessível e o HD finalmente será aposentado em algum momento. Mas por enquanto trabalharemos com ambos.

Normalmente acaba-se utilizando os dois componentes de uma forma híbrida: no SSD, coloca-se o sistema operacional e os softwares, com o intuito de minimizar o tempo de carregamento dos programas; enquanto no HD coloca-se os arquivos desses programas (os famigerados .dwg, .rvt, .skp, etc.).

É aconselhável também investir em um HD com pelo menos 1TB disponível, para guardar todo o seu trabalho e realizar backups constantes. Um SSD é imprescindível visto que ele aumenta bastante a velocidade que seus programas funcionarão. Um SSD de 120GB já é suficiente para instalar seu sistema operacional e alguns outros softwares, mas a depender da sua necessidade, e no caso de arquitetura com tantos softwares surgindo a cada dia, nossa recomendação é investir para um SSD de 240GB.

 

Sistema Operacional e softwares

Outro ponto importante na hora de investir em uma workstation é ter um hardware bem afinado com o software que você utiliza. Por isso, escolher o melhor computador passa primeiro por definir qual o Sistema Operacional e os programas são mais importantes para você.

Embora os aparelhos da Apple ofereçam muito desempenho e estabilidade, hoje a compatibilidade de programas e sistemas é um grande ponto para a escolha do Windows. Veja quais são as especificações de cada software, estude como eles utilizam os recursos da máquina e, a partir daí, fica claro em qual hardware você precisa investir.

 

Periféricos

Um bom mouse e um bom teclado facilitam muito o trabalho de um arquiteto que busca alta performance, mas vamos focar aqui em um periférico ainda mais relevante: o monitor.

Quanto maior a resolução, mais espaço você tem para trabalhar e enxergar seu projeto com uma visão ampla. Mas, além do tamanho e da contagem de pixels, um arquiteto precisa buscar fidelidade de cores.

Muitos monitores que prometem alta qualidade têm pouco contraste e “tons lavados” que atrapalham a percepção sua e do cliente sobre o resultado final. Se você quer usar seu estilo estético como diferencial, tem que buscar mais fidelidade na hora de comprar.

 

Placa-Mãe

A placa mãe é a sala onde o estagiário (CPU e GPU) e o mobiliário (HD,SDD e memória) estarão dispostos. Cada tecnologia requer uma placa mãe diferente, pois os encaixes das peças alteram conforme o modelo que você irá utilizar. Normalmente, ao escolher o CPU e a GPU, o vendedor se encarregará de escolher uma placa compatível para esses componentes, junto com a fonte necessária, nesse caso recomendamos uma fonte de 600W para suprir a demanda de energia. 

 

Suporte

Por último, é claro, você precisa investir agora pensando no futuro. Computadores, por melhores que sejam, vão dar problema em algum momento — seja uma peça com mau funcionamento, um sistema engasgando, um componente sub-utilizado, ou mesmo alguma dúvida ou questionamento à respeito do funcionamento de sua máquina  .

Nessas horas, um bom suporte faz toda a diferença: você fica menos tempo parado e garante produtividade constante da máquina. Ter uma placa de vídeo profissional e um processador profissional, com um bom suporte por trás, dá ao arquiteto uma vida útil muito maior de seu investimento, podendo chegar a até 10 anos de uso (não em seu topo de performance, mas o suficiente para se manter útil).

 

Como encontrar a melhor opção para o seu trabalho

Mas então, como garantir a escolha certa em todos esses quesitos e investir no computador perfeito para o seu trabalho, com desempenho, qualidade e vida útil? Se você não quer perder tempo nem dinheiro, a busca por ajuda especializada é sempre bem-vinda.

Fica claro que todos os componentes são importantes, onde você na verdade irá optar entre uma configuração mínima e uma configuração recomendada. Sempre é bom salientar que o computador é uma ferramenta de trabalho e nunca é um gasto, mas um investimento. Bons componentes aumentam a produtividade e também a qualidade dos seus trabalhos e, se optar por um investimento mais alto este computador te sustentará por mais tempo propiciando muitos ganhos em sua atividade profissional.

 

Uma boa consultoria pode levantar todas as suas necessidades, prever a sua demanda de trabalho para o futuro e indicar quais são as melhores configurações com o melhor preço. E é exatamente isso que a Razor faz por você.

Que tal então projetar o melhor PC para arquitetura? Entre agora em contato conosco! Nos diga o que você precisa, qual é a sua capacidade de investimento e nós vamos lhe ajudar a encontrar a workstation perfeita!

 

 

O Hardware perfeito Razor

ASSINE NOSSO BLOG

Receba nossas publicações em seu e-mail.
Prometemos não exagerar :)